DESTAQUES DO DIA MARINGÁ POLICIA

Professor de enfermagem da UEM é investigado por abuso sexual

O caso mais recente aconteceu com uma adolescente de 16 anos. Ela teria sido abusada em uma sessão de hipnose dada pelo professor em um consultório.
Um professor do curso de enfermagem da Universidade Estadual de Maringá (UEM) é suspeito de cometer diversos crimes sexuais. O homem, de 43 anos, que também atua como enfermeiro no Hospital Universitário, é hipnoterapeuta em uma clínica particular em Maringá.

Segundo o Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria), o caso mais recente aconteceu durante um atendimento a uma adolescente de 16 anos. Durante uma das sessões que durou duas horas, a jovem, sob o efeito da hipnose, teria sido vítima de abuso sexual. A adolescente, em depoimento, contou à polícia que via o que acontecia durante a sessão mas, por conta do efeito da hipnose, não conseguia reagir.

O Nucria acompanha também possíveis denúncias de estudantes do curso de enfermagem UEM, e de uma funcionária do HU que teria sido vítima do enfermeiro. Essas denúncias foram feitas no fim do ano passado. Aparelhos de telefone celular de uso pessoal e para trabalho, além dos prontuários, foram apreendidos no consultório. O inquérito foi instaurado e foi representada a prisão preventiva. Mas, o juiz determinou a aplicação de uma medida cautelar.

Para a conclusão do inquérito, a delegada do Nucria Karen Friedrich aguarda o boletim de ocorrência das alunas da UEM. A delegada espera que outras vítimas do professor apareçam para fazer a denúncia.

A Universidade Estadual de Maringá divulgou nota em que afirma que está à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos. As medidas administrativas foram tomadas e o profissional foi afastado preventivamente das funções.

“A respeito do caso do professor universitário investigado por assédio sexual e estupro, a Universidade Estadual de Maringá (UEM) declara que está à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos e que todas as providências administrativas internas estão sendo tomadas para a rápida e devida apuração dos fatos ligados à nossa Instituição, inclusive mediante a decretação do afastamento preventivo do servidor de suas funções.”

Com informações da CBN Maringá.