DESTAQUES DO DIA

Internos do Complexo Penitenciário de Maringá fazem vestibular da Fanduca

É aguardado para os próximos dias o resultado do Vestibular da Fanduca oferecido na semana passada para presos da Penitenciária Estadual de Maringá (PEM), Casa de Custódia e Penitenciária Industrial de Maringá – Unidade de Progressão (PIM-UP) que concluíram o ensino médio e querem dar continuidade aos estudos com um curso superior. Os que forem aprovados vão fazer o curso na unidade penal por meio da Fanduca, uma avançada plataforma digital educacional.

Prestar a prova é uma iniciativa dos próprios internos. Além de dispor de tempo para os estudos, os aprovados receberão os materiais necessários e darão continuidade ao processo de remição de pena. A cada 12 horas de estudo eles terão reduzido um dia da pena.

 

“A remição é um grande estímulo, mas os candidatos prestaram provas porque querem mesmo fazer um curso superior e terem uma profissão definida para quando saírem da penitenciária”, diz a pedagoga Ivanir Jolio, que coordena o ensino na Penitenciária Industrial de Maringá – Unidade de Progressão (PIM-UP). Segundo ela, um diploma de curso superior e uma profissão são os estímulos que movem os estudantes presos.

 

Os vestibulares para pessoas privadas de liberdade são oferecidos em parceria da Polícia Penal do Paraná (Deppen) e Secretaria de Segurança Pública com instituições de ensino públicas ou privadas, como as universidades estaduais de Maringá (UEM), Londrina, Ponta Grossa e Cascavel, além dos Institutos Federais. Este que foi realizado neste mês, a parceria foi com a Universal nos Presídios (UNP), entidade ligada à Igreja Universal que faz um trabalho de apoio espiritual nas unidades prisionais, e a plataforma Fanduca, desenvolvida pela empresa Valotto Investimento Educacional, hoje uma das melhores com cursos gratuitos e pagos e ações de extensão.

 

O coordenador regional do Deppen em Maringá, Júlio César Vicente Franco, afirma que existem estudos que comprovam que os presos que tiveram oportunidade de cursar uma graduação, a taxa de retorno ao sistema prisional reduziu muito, diferente daqueles que não participaram de nenhum tipo de reinserção”.

 

O diretor da PIM-UP, Vaine Gomes, elogiou os esforços dos estudantes para chegarem até o vestibular e os professores que fizeram a preparação dos presos para as provas. Segundo ele, a Secretaria de Segurança do Paraná, por meio da Polícia Penal, se preocupa em fazer com que a pessoa que por algum motivo deu entrada no sistema penitenciário saia em condições de reestabelecer sua vida em sociedade com alto nível de qualificação.

 

Também o vice-diretor Vitor Scaramella, o chefe de Segurança Paulo Rafael Marques e o pastor Alexandre Pereira, da Igreja Universal, elogiaram os candidatos e os professores.

 

Desta vez foi oferecido também o curso de Pedagogia, mas todos os candidatos optaram pelo curso de Serviço Social.