DESTAQUES DO DIA

É do Paraná a vencedora do BBB 23: com 68,9% dos votos, astorguense Amanda ganha prêmio de R$ 2.880.000

Nascida em Astorga e que já morou em 15 cidades antes de se tornar médica intensivista em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Campo Largo, a paranaense Amanda Meirelles, de 31 anos, é a campeão do Big Brother Brasil 23, da Rede Globo. Na final desta terça-feira, 26, ela recebeu 68,9% dos mais de 76,2 milhões de votos e levou para casa o maior prêmio da história do “BBB”, R$ 2.880.000.

A trajetória da médica paranaense no “BBB 23” foi marcada pela forte amizade com Cara de Sapato, concorrente com quem ficou amarrada nos primeiros dias da competição.

A dupla chegou a ganhar a segunda prova de liderança junta, mas o cargo ficou com o lutador após uma etapa de sorte. Com isso, a agora campeã não foi líder nenhuma vez — ao vencer a última prova do reality, ela “apenas” foi direto para a final.

Ao longo do programa, ela conseguiu duas vezes o papel de anjo, uma delas com Larissa, e comprou uma vez o pode Curinga. Sem grandes inimizades na casa, ela enfrentou o paredão quatro vezes antes da final, mas nunca recebeu votações expressivas.

 

Aos poucos, se tornou umas das favoritas do público e conseguiu uma torcida forte.

 

No discurso que consagrou Amanda como campeã, Tadeu Schmidt disse: “O que faz ganhar o BBB é a capacidade de encantar pessoas, transformar essas pessoas em fãs, capazes de fazer as pessoas votarem em você”.

 

“Como se consegue isso? Admiração, simpatia, carisma, personalidade. Você se conectou com as pessoas de maneira especial. Você estendeu a mão pra uma pessoa e milhares de pessoas estenderam a mão pra você”, completou.

amanda vence o bbb-23
Amanda comemora a vitória junto com os demais finalistas Foto: Reprodução/Globo

A astorguense que mora em Campo Largo é filha de pai militar e morou em mais de 15 cidades. Em uma delas, por residir perto de um pronto-socorro, se apaixonou pela Medicina. Gosta da rotina de trabalhar na UTI pela imprevisibilidade e, durante a pandemia, chegou a ficar 15 dias sem deixar o hospital.